MADRAGOA
Amanzi angena endlini
Buhlebezwe Siwani
21 September – 12 November 2022 Madragoa Lisbon, Portugal
Press release

EN

 

 

MADRAGOA is delighted to present Amanzi angena endlini, the third exhibition of Buhlebezwe Siwani (b. 1987, Johannesburg) at the gallery.

 

Grossly overlooked in dominant Western art history, Black bodies were anonymous and relegated to the background until very recently. And if they couldn’t be invisible, they were whitewashed, as in the Renaissance’s painting by Piero di Cosimo’s “Perseus Freeing Andromeda'' (c.1510), where Andromeda, a notably dark-skinned Ethiopian princess, is represented as a white woman. Also rarely researched, studied, or written about, Black characters in artworks were de facto discarded. For instance, we only learned in this century the name of Manet’s Black model in “Olympia”–her name was Laure. Medical illustrations too have been lacking in diversity, it’s only at the end of last year that a Nigerian medical student and illustrator, Chidiebere Ibe, went viral on social media for his drawing of a Black foetus. Lack of representation of Black bodies, or Black artists, especially women, are only part of what the consequences of the Western-Christian-colonial-influenced environment we live in imposed on all the areas of our lives. These Black bodies, as active subjects of history and contemporary times, is who we are invited to consider when approaching the layered work of Johannesburg-born multidisciplinary artist, activist, and traditional healer Buhlebezwe Siwani.

 

Another overlooked subject since the middle ages and up to the Renaissance, which is alluded to in Siwani’s work is pregnancy. Albeit rare, they have all been of the virgin Mary. In some, like in Dutch painter Hugo van der Goes’s “Vienna Diptych” (c.1479), it is Eve who we see pregnant, although in association with her grabbing the infamous apple she tempted Adam with. Images of pregnant women throughout the 18th and 19th centuries appear to be even more scarce, before reappearing in the 20th and 21st centuries. However, seldom are they made by women, and even more rarely by, or of, women of colour or Black women. In popular culture, there was this stunning yet controversial moment when Demi Moore appeared naked, cradling her bump on the cover of Vanity Fair in 1991, photographed by Annie Leibovitz, although it took an extra quarter of century for Leibovitz to photograph the same cover with a Black woman, Serena Williams in 2017.

 

Siwani is not only a maker, she also believes that artists have a social responsibility. In 2015, she was one of the founding members of iQhiya, a women collective who got tired of waiting for opportunities to be seen and heard in an art world that, even in South Africa, kept being monopolised by white men. But she also locates her practice in a deeply spiritual dimension. She’s a Sangoma, and was initiated to this particular traditional South African healing practice since around 2009. As a result, and on par with her beliefs, she combines communication with the Ancestors, works with plant medicine, and uses the power of prayer in order to facilitate diagnosis, healing, and resolution to those she assists–so ailments and the behaviours that triggered them aren’t coming back. And since her artistic and healing practices are interconnected, it’s important to apprehend her artworks as spiritually charged, intentional, and aimed at a certain form of reparation, for lack of a better word.

 

For this exhibition, Siwani presents two soap sculptures, a video, and a photograph, which all feature nude bodies of Black women, unapologetically themselves. The artist somehow revisits history, pulling back from Renaissance’s Chiaroscuro to portray Black bodies in the video Amagugu (2022) and the self-portrait photograph Bageze ngobisi 1 (2022) along with what she refers as indigenous material (flowers, clay pots, and indigenous medicine–no guilty apples, thanks) as well as traces of the household soap–used by low-income families in South Africa, it is loaded with social and class and colour discriminatory signifiers–that has become a signature in her work. In both the video and the photograph, the gazes of the women are held high, looking directly at the camera, in a silent but expressive stare that is at once, soft, intimidating, and haunting. The intense confidence of their gazes are in stark contrast with the zephyr-like quality of their poses, their curvaceous bodies and shining skins, and the harmonies vocalised by a choir of women in the accompanying soundtrack. Both strength and delicate beauty are underlined by the presence of fresh and dried flowers adorning the heads of the women or laying next to them, while the milky green soap alludes to a state of constant metamorphosis, from liquid to solid, as a metaphor for the shapeshifting malleability of perception. The soap is also the material of the two sculptures Zanobungcwele (2022) and Zanenkosi (2022), each representing a Black pregnant woman – the artist – either seated, head down but grave, or standing and cradling her pregnant belly with both hands. Unlike Rodin’s “The Thinker” the protagonist doesn’t need her fist and angular muscles to support her pensiveness–just being, and holding another being within, is plenty.

 

Siwani proposes a soft gaze on these women’s bodies, who are harnessing their force from motherhood, womanhood, and sisterhood at large, while speaking to the historical examples, the victims of colonisation whose stories epitomise how Black people have been treated and are now brought into awareness in order for Black people, especially Black women, to reclaim their bodies. Those include Sarah Bartmaan–the so-called "Hottentot Venus" paraded in freak shows around 19th century London and Paris and now considered as the embodiment of racist, colonial exploitation; Krotoa, the 17th century servant who became the principal interpreter for the Dutch settlement at the Cape before falling in disgrace; the mighty South African Zulu Queen, Nandi; and the controversial, alcohol-bribed, Queen Nonibe; as well as all the women who were underlooked as rightful resistance-fighters during the 18th and 19th colonial wars in South Africa.

 

Amanzi angena endlini is a zulu saying as a metaphor for trouble entering your house–the exhibition both pulling from softness and latent violence. It asserts that Black women's bodies can be looked at with a gentle gaze all the while acknowledging that that simple fact is enough to stir the pot of hundreds of years of being discarded and / or vilified, in the West, but most importantly, at home.

 

Cristina Sanchez-Kozyreva, 2022

 

 


PT

 

 

A Galeria Madragoa tem o prazer de apresentar Amanzi angena endlini, a terceira exposição de Buhlebezwe Siwani (n. 1987, Joanesburgo) na galeria.

 

Grosseiramente esquecidos na história da arte ocidental dominante, os corpos negros foram anónimos e relegados para segundo plano até muito recentemente. E quando não eram invisíveis, eram branqueados, como na pintura da Renascença de Piero di Cosimo "Perseu Libertando Andromeda" (c.1510), onde Andromeda, uma princesa etíope de pele notavelmente escura, é representada como uma mulher branca. Raramente pesquisadas, estudadas, ou escritas sobre, as personagens negras em obras de arte foram de facto descartadas. Por exemplo, só neste século aprendemos o nome da modelo Negra de Manet em "Olympia" - o seu nome era Laure. Também as ilustrações médicas têm sido pouco diversificadas, só no final do ano passado é que um estudante de medicina e ilustrador nigeriano, Chidiebere Ibe, se tornou viral nas redes sociais pelo seu desenho de um feto negro. A falta de representação dos corpos negros, ou artistas negros, especialmente mulheres, são apenas uma parte do que as consequências do ambiente de influência Ocidental-cristão-colonial em que vivemos impõem em todas as áreas das nossas vidas. Estes corpos Negros, como sujeitos activos da história e dos tempos contemporâneos, é quem somos convidados a considerar ao abordar o trabalho em camadas da artista multidisciplinar, ativista e curandeira tradicional Buhlebezwe Siwani, nascida em Joanesburgo.

 

Outro tema negligenciado desde a Idade Média e até ao Renascimento, ao qual se faz alusão na obra de Siwani é a gravidez. Embora raros, todos eles têm sido da virgem Maria. Em alguns, como no pintor holandês Hugo van der Goes, "Vienna Diptych" (c.1479), é Eva que vemos grávida, embora em associação com ela agarrar a infame maçã com que tentou Adão. As imagens de mulheres grávidas ao longo dos séculos XVIII e XIX parecem ser ainda mais escassas, antes de reaparecerem nos séculos XX e XXI. No entanto, raramente são feitas por mulheres, e ainda mais esporadicamente por, ou de mulheres negras ou de cor. Na cultura popular, houve este momento espantoso mas controverso em que Demi Moore apareceu nua, embalando a sua barriga na capa da Vanity Fair em 1991, fotografada por Annie Leibovitz, embora tenha sido necessário um quarto de século extra para Leibovitz fotografar a mesma capa com uma mulher Negra, Serena Williams em 2017.

 

Siwani não é apenas uma criadora, ela também acredita que os artistas têm uma responsabilidade social. Em 2015, ela foi um dos membros fundadores da iQhiya, um colectivo de mulheres que se cansou de esperar por oportunidades para ser vista e ouvida num mundo artístico que, mesmo na África do Sul, continuava a ser monopolizado por homens brancos. Mas ela também localiza a sua prática numa dimensão profundamente espiritual. Ela é uma Sangoma, e foi iniciada nesta prática de cura tradicional sul-africana em particular desde cerca de 2009. Como resultado, e a par das suas crenças, ela combina a comunicação com os antepassados, trabalha com a medicina vegetal, e usa o poder da oração para facilitar o diagnóstico, a cura, e a resolução àqueles a quem ela assiste – para que as aflições e os comportamentos que as desencadearam não voltem. E uma vez que as suas práticas artísticas e curativas estão interligadas, é importante apreender as suas obras de arte como espiritualmente carregadas, intencionais, e orientadas para uma certa forma de reparação, por falta de uma palavra melhor.

 

Para esta exposição, Siwani apresenta duas esculturas de sabão, um vídeo, e uma fotografia, todas elas com corpos nus de mulheres negras, sem qualquer tipo de desculpa. A artista de alguma forma revisita a história, recuando do Chiaroscuro da Renascença para retratar corpos negros no vídeo Amagugu (2022) e na fotografia de auto-retrato Bageze ngobisi 1 (2022), juntamente com o que ela refere como material indígena (flores, vasos de barro, e medicina indígena – sem maçãs de culpa se faz favor), bem como vestígios do sabonete doméstico - utilizado por famílias de baixos rendimentos na África do Sul, está carregado de significantes sociais e discriminatórios de classe e cor - que se tornaram uma assinatura no seu trabalho. Tanto no vídeo como na fotografia, os olhares das mulheres são elevados, olhando directamente para a câmara, num olhar silencioso mas expressivo que é ao mesmo tempo, suave, intimidante e assombroso. A intensa confiança dos seus olhares contrasta fortemente com a qualidade de Zéfiro das suas poses, os seus corpos curvilíneos e peles brilhantes, e as harmonias vocalizadas por um coro de mulheres na banda sonora que as acompanha. Tanto a força como a delicada beleza são sublinhadas pela presença de flores frescas e secas adornando as cabeças das mulheres ou deitando-as ao seu lado, enquanto o sabão verde leitoso alude a um estado de constante metamorfose, do líquido ao sólido, como metáfora para a maleabilidade da percepção que muda de forma. O sabão é também o material das duas esculturas Zanobungcwele (2022) e Zanenkosi (2022), cada uma representando uma mulher negra grávida – a artista – sentada, de cabeça para baixo, mas digna, ou de pé e a embalar a barriga grávida com ambas as mãos. Ao contrário de "O Pensador" de Rodin, a protagonista não precisa do seu punho e músculos angulares para suportar o seu pénis - apenas estar, e segurar outro ser dentro dela, é bastante.

 

Siwani propõe um olhar suave sobre os corpos destas mulheres, que estão a aproveitar a sua força da maternidade, feminilidade e irmandade em geral, ao mesmo tempo que fala dos exemplos históricos, as vítimas da colonização cujas histórias resumem a forma como os Negros foram tratados e são agora trazidos à consciência para que os Negros, especialmente as mulheres Negras, recuperem os seus corpos. Estas incluem Sarah Bartmaan – a chamada "Hottentot Venus" desfilou em espectáculos de aberrações pela Londres e Paris do século XIX e agora considerada como a encarnação da exploração racista e colonial; Krotoa, a criada do século XVII que se tornou a principal intérprete da colonização holandesa no Cabo antes de cair em desgraça; a poderosa rainha zulu sul-africana, Nandi; e a controversa, subornada com álcool, rainha Nonibe; bem como todas as mulheres que foram negligenciadas como combatentes da resistência durante as 18ª e 19ª guerras coloniais na África do Sul.

 

Amanzi angena endlini é um ditado zulu como metáfora para a entrada de problemas na sua casa - a exposição tanto puxando da suavidade como da violência latente. Afirma que os corpos das mulheres negras podem ser olhados com um olhar gentil, ao mesmo tempo que reconhece que esse simples facto é suficiente para agitar o pote de centenas de anos de descartados e/ou vilificados, no Ocidente, mas o mais importante, em casa.

 

 

Cristina Sanchez-Kozyreva, 2022

Artworks

We use cookies to optimize our website and services.Read more
This website uses Google Analytics (GA4) as a third-party analytical cookie in order to analyse users’ browsing and to produce statistics on visits; the IP address is not “in clear” text, this cookie is thus deemed analogue to technical cookies and does not require the users’ consent.
Accept
Decline